sábado, 5 de dezembro de 2015

A posição dos revolucionários sobre as drogas

Nos últimos anos temos visto esse assunto sendo mais exposto e debatido, não só na grande mídia, mas também em partidos políticos, coletivos, sindicatos e movimentos sociais de uma maneira geral. A maconha, a mais falada, defendida e atacada, é motivo de paixão e ódio por parte de quem costuma debater o tema das drogas, porém não temos apenas essa droga como problema atual e nem como único, de qualquer forma, ela é o fator principal que será tratado aqui.

O consumo de drogas vem aumentando a cada ano, não só a maconha, como a cocaína, além do próprio cigarro e remédios controlados que são licitos, os dois ultimos com ampla aceitação e popularizados(caso do famoso rivoltril por exemplo).Partindo desse princípio, não podemos considerar que tais circunstâncias sejam normais, ou mesmo algo agradável, muito pelo contrário, como sociedade, seres conscientizados,  tais números evidenciam claramente um adoecimento das pessoas em âmbito global, provocado pelo capitalismo primordialmente, mas também por uma cultura que degradasse de forma acelerada.

Podemos apontar que essa deterioração crescente demonstra a podridão que é o sistema capitalista de forma geral, já que isso é do interesse das elites econômicas, através da industria farmacêutica, de bebidas, cigarros, e a que esta surgindo da maconha(como a própria Monsanto fazendo lobby em favo da droga). Toda via, uma grande parte da esquerda entrou nesse campo, mas não para combater tal comércio, degradação física, emocional, psicológica e cultural, e sim para apoiar tais campanhas, interesses, e seus usuários.

Chegou-se ao ponto na atual esquerda, que caso um militante, ou mesmo uma pessoa comum, fora da politica,  seja contra a regulamentação e/ou legalização da maconha, o consumo de álcool, cigarro etc, logo é considerado reacionário, conservador, ou até mesmo fascista.Trata-se claro, de seres individualistas que não enxergam além dos seus ''prazeres'' e vontades pessoais, inclusive utilizam-se de discursos de cunho demagógico e hipócrita para justificar tais posicionamentos.

Uma das principais falácias para a defesa da legalização da maconha é que muitas pessoas pobres vão presas por conta da guerra as drogas, que para eles é guerra aos pobres, e isso confirma-se( eis a contradição deles), pois o Estado é comandado pela burguesia, e claro que sempre utilizaram o aparato de repressão contra os pobres, porém eles não precisam de um motivo ''legal'', justamente por isso é que mesmo com a legalização da maconha, ou mesmo se todas as drogas fossem legalizadas, como muitos andam defendendo, os pobres continuariam sendo presos, executados e sofreriam a repressão brutal da mesma forma como acontece atualmente.Porque continuará sendo um Estado burgues, no sistema capitalista, e  portanto o proletariado continuará sendo subjugado da mesma forma, enquanto não mudar a estrutura econômica e politica, a situação será igual, não ha legalização de qualquer tipo de uso ilicito que resolva esse problema, a não ser a revolução.

Alguns poderão dizer  que ''pelo menos terão um motivo a menos para reprimir'', '' a violência vai diminuir'' (olha o idealismo e o sentimento pequeno burgues individualista agindo a)i, pois bem, esse tipo de argumentação apenas mostra quais são os interesses por trás desse tipo de defesa vindo da esquerda. Ou seja, pensam na verdade, repito, nas suas vontades individuais, tipíco da ideologia liberal, o que expõe a degenaração teórica e consequentemente ideológica de grande parte da esquerda atual, no qual se reconhece e defende pautas de essencia liberal, que não resolvem o problema, não atacam a causa e ainda criam mais efeitos adversos.

A elite fatura bilhões com o comércio de drogas, não só das ilegais, como das licitas também, o interesse dela é pelo aumento do consumo e popularização de seus produtos,os impactos negativos, podemos observar o quanto o Estado gasta no setor da saúde para tratar dos problemas advindo desse consumo, e quanto novamente as elites  faturam na outra ponta da mesa, seja nos planos de saúde, ou vendendo os insumos necessários para o Estado tratar essas pessoas.É um circulo vicioso que começa e termina na vontade da burguesia em entorpecer, drogar e adoecer a sociedade, e os mais prejudicados, claro, são os mais pobres, para que essa tenha dificuldade, ou mesmo não consiga enxergar a exploração desse sistema que apenas suga não só a mais-valia diariamente, como a vida do povo trabalhador.

A propaganda ideológica é muito forte, convenceram e convencem muitas pessoas diariamente que para elas se sentirem felizes, tranquilas, despertas, descansadas precisam de algum tipo de produto para cada situação. A socialização dos jovens em grande medida acontece por meio da bebida e do cigarro, ou mesmo da maconha, isso não é ''natural'' e muito menos casuístico, é a ordem burguesa, como disse Marx ''As ideias da classe dominante são, em todas as épocas, as ideias dominantes, ou seja, a classe que é o poder material dominante da sociedade é, ao mesmo tempo, o seu poder espiritual dominante. A classe que tem à sua disposição os meios para a produção material dispõe assim, ao mesmo tempo, dos meios para a produção espiritual, pelo que lhe estão assim, ao mesmo tempo, submetidas em média as ideias daqueles a quem faltam os meios para a produção espiritual. As ideias dominantes não são mais do que a expressão ideal [ideell] das relações materiais dominantes, as relações materiais dominantes concebidas como ideias; portanto, das relações que precisamente tornam dominante uma classe, portanto as ideias do seu domínio. Os indivíduos que constituem a classe dominante também têm, entre outras coisas, consciência, e daí que pensem; na medida, portanto, em que dominam como classe e determinam todo o conteúdo de uma época histórica, é evidente que o fazem em toda a sua extensão, e portanto, entre outras coisas, dominam também como pensadores, como produtores de ideias, regulam a produção e a distribuição de ideias do seu tempo; que, portanto, as suas ideias são as ideias dominantes da época''.

Como revolucionários, anti-imperialistas, devemos combater essa lógica estrutural, que é o capitalismo, o liberaislismo, nas greves, ocupações, manifestações ao mesmo tempo em que também lutamos no âmbito ideológico, cultural e educacional. A propaganda contra a burguesia, e a denuncia de seus aparatos ideológicos, devem ser expostos, conscientizar a juventude, e mesmo os mais velhos, que o caminho de um militante, um revolucionário e da sociedade de modo geral, é utilizar a tepria, o pensamento critico, sem interferência de agentes quimícos externos.

Não é uma luta apenas contra as drogas ''aparentes'', maconha, cocaína, bebida alcoólica, cigarros, é um combate a todo o lixo que a burguesia impõe ao povo e que o prejudica grandemente de forma aterrorizante. Comidas processadas, carnes cheias de anabolizantes, verduras e legumes com alto nível de agrotóxicos, transgênicos, bebidas não alcoólicas com alto grau de açúcar e sódio etc. Tudo isso provoca a sociedade doenças e alimenta o circulo vicioso que foi exposto acima.

Tudo que foi colocado são evidências concretas, que tais pautas servem apenas as elites e portanto ao capital. Partidos comunistas de outros países, como o grego e cubano por exemplo, tem posições claras a respeito desse tema, além das experiências históricas não só do socialismo no geral, como da luta revolucionária nos países capitalistas.

Partimos do principio de mudar a estrutura econômica, cultural e educacional para o socialismo, e não nos adaptarmos as vontades e manipulações do sistema capitalista. Somos revolucionários e não social democratas e liberais. A única ação que fará com que a população pobre, trabalhaodra,  pare de morrer na mão dos aparatos de repressão é a revolução, o socialismo, e não a legalização e uso de drogas. Isso só vai favorecer ainda mais as elites e seus respectivos interesses econômicos, culturais e ideológicos.


Alguns referênciais teóricos, sobre o problema, os interesses das elites, o combate ideológico, o posicionamento dos revolucionários e os problemas acarretados do uso.


Interesses econômicos das elites sobre a legalização das drogas:http://jornalggn.com.br/noticia/monsanto-pretende-cultivar-semente-de-canhamo-transgenico-no-uruguai














Como a revolução chinesa erradicou a droga na China (Durante Mao Tse Tung):http://revcom.us/a/china/opium-s.htm









Aqui sobre os efeitos da comida processada, bebidas não alcoólicas e suas variáveis:http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-04/indice-de-brasileiros-acima-do-peso-aumenta-para-52-mostra-pesquisa











Nenhum comentário:

Postar um comentário