segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Nota: Sobre a economia fascista

























Inicialmente o fascismo não tinha qualquer programa econômico para governar, muito menos um projeto de intervenção do Estado na economia.

Inclusive, sequer existia concretamente um plano politico claro dos objetivos a curto, médio e longo prazo, caso conseguissem o poder, isso ocorreu não só pelas contradições internas, mas também por problemas de ordem organizacional do então grupo dos conhecidos ''camisas negras''.
É possível exemplificar de maneira simples essa questão num trecho retirado do discurso do próprio Mussolini, então eleito para seu primeiro mandato como deputado do Partido Nacional Fascista em 1921.

Vejamos o que ele diz:

''O Estado deve ser reduzido á forma mais simples. Deve ter um bom exercito, uma policia, uma organização judiciaria funcionando regularmente, uma politica exterior que consulte as exigências da nação. Tudo o mais deve ser relegado á atividade privada''
Ainda não havia qualquer programa concreto por parte do fascismo sobre a economia nacional. O projeto do Estado corporativo surgiu posteriormente em consequência de alguns fatores.
1)A crise econômica gerada pela guerra, e claro, o não cumprimento das promessas pelos parte dos aliados. Esse fato levou que durante o período entre 1919 á 1921 ocorressem problemas graves na economia, como o desemprego, principalmente dos combatentes que estiveram na guerra, diga-se de passagem, um dos motivos do surgimento do fascismo italiano. A insatisfação gerada pela situação, criou nos ex-soldados, cabos, capitães, uma revolta usada para fins políticos por agitados como Mussolini e de Gabriele D'Annunzio.
2) As greves gerais sistemáticas comandadas pelos socialistas,econômicas e politicas (chegando ao ponto de terem tido a possibilidade de conquistar o poder, mas pela capitulação de alguns lideres não terem dado o xeque-mate). Tais recuos também contribuíram para a ascensão do fascismo ao poder, pois deu força moral e ideológica para sua posterior reação contra as organizações operarias.
Esses acontecimentos forçaram o fascismo a formular um programa econômico de intervenção do Estado, e também de formar uma parceria entre o Estado e as empresas privadas para alavancar o desenvolvimento do pais. O fascismo também precisou controlar os sindicatos, tirar os socialistas de lá, para fazer a união forçada entre capital e trabalho.
O dito ''Estado corporativo'' funcionou como um ''New deal'' italiano, impulsionando obras públicas de infraestrutura para gerar emprego e com isso renda, ao mesmo tempo em que controlava os salários e proibia as greves, já que os sindicatos fascistas nada mais eram do que fachadas para o mantenimento da ordem vigente, e portanto, dos seus interesses politicos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário