sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Bolsonaro é uma farsa

Resultado de imagem para Bolsonaro


Primeiramente é preciso deixar claro que esse texto não tem a pretensão de ''conscientizar'' os seguidores do Bolsonaro ou algum tipo de ''refutação''. Ate porque seria pedir demais que saíssem da sua zona de conforto para refletir sobre alguma proposta econômica do candidato e ''líder'' que dizem defender. Dito isso, vamos ao que interessa.

Muitos militantes da esquerda, democráticos ou mesmo antiliberais de um modo geral, tem dificuldade de debater com seguidores do deputado ou mesmo tentam faze-lo a partir do prisma superficial, o da corrupção. Eis o erro principal, porque o ser politico, assim como a politica em sua práxis e teoria não baseia qualquer modus operandi, tendo como tema central a corrupção.

Isso significa que, diante de todos os problemas existentes na sociedade, a corrupção de um politico não é, como nunca foi, o foco principal de qualquer debate sério e critico sobre o país e as respectivas propostas de organização do Estado. A corrupção sempre foi um a pauta levantada pelas forças mais reacionárias e aduladoras do senso comum, geralmente em momentos de acirramento na luta de classes e da luta anti-imperialista, seja no âmbito reformista ou revolucionário.

No Brasil temos alguns exemplos: Getúlio Vargas, em 1954, e o ''mar de lama'' udenista promovido por Carlos Lacerda. Assim como Jango e as reformas de base, destruídas por um golpe a mando do imperialismo e pelas forças mais conservadores e entreguistas, vide posteriormente o legado de inflação e endividamento que a ditadura militar deixou ao país, tudo, claro, para salvar diversas vezes a burguesia nacional, favorecer o capital estrangeiro, e o principal: o lucro dos banqueiros (sobre a economia durante a ditadura, a corrupção da época e o favorecimento aos capitalistas ler: A farsa do neoliberalismo por Nelson Werneck Sodré).

Bolsonaro não tem projeto para o país, e quando me refiro a projeto, de qualquer tipo, inclusive o que possa representar um norte para sua atuação. É uma trajetória politica baseada no oportunismo mais puro e grosseiro existente, assim como uma garrafa é lavada pela correnteza, o deputado é atraído pelo clima para basear as pautas que defenderá.

Vamos dar alguns exemplos, simples e diretos: Na década de 90, no governo FHC, enquanto o país era completamente entregue, como nunca antes foi na história, ao financismo e ao capital estrangeiro através da politica neoliberal, Bolsonaro, não só defendeu o fuzilamento do então presidente, mas também se posicionou contra as privatizações, reforma da previdência, divida externa, mas por quê? 

Exatamente pelo fato que, a reação popular a tudo que acontecia era completamente negativa, mobilizações populares violentíssimas, inclusive sendo necessária a intervenção do exército numa das greves da Petrobras. Pode-se afirmar que era um posicionamento nacionalista na época. Inclusive em determinado momento o deputado chega a dizer que o período FHC, foi o mais corrupto da história do Brasil.

Aos que possam duvidar, deixarei aqui os links sobre as afirmações que expus acima:

1:Bolsonaro pediu o fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso:https://www.youtube.com/watch?v=tOCuftuLhUc

2:Bolsonaro fala sobre liberalismo, privatizações, governo FHC, reformas e corrupção:https://www.youtube.com/watch?v=kXiuiWDTt7A, nesse mesmo vídeo diz que votaria no Lula.

O discurso nacionalista e em defesa do patrimônio nacional foi substituído pela defesa aberta e sem qualquer vergonha das privatizações, incluindo a Petrobrás, da reforma da previdência praticada pelo atual governo, Temer, e a retirada dos direitos dos trabalhadores.  Evidentemente que os tempos mudaram, porém a luta pela independência e soberania nacional, por meio do desenvolvimento da indústria, tecnologia e ciência no território nacional continua sendo a prioridade absoluta para os verdadeiros nacionalistas e revolucionários.

Para quem tiver dúvida:

1:Bolsonaro defende Menos Estado e mais Liberdade de Mercado:    



3:Jair Bolsonaro vota a favor da PEC 241 e se mostra (mais uma vez) homem de duas palavras:
https://www.youtube.com/watch?v=SKU6KD2o59Q


Assim como seus filhos, que também estão na politica e vivem como parlamentares, todos eles defendem o livre mercado (como se estivéssemos no inicio do século xx e não num momento da história em que as economias são controladas por conglomerados de transnacionais e especuladores financeiros), e todo o tipo de pauta anti-povo e antinacional. Desde a entrega das riquezas naturais, a destruição do que ainda resta de ''bem-estar social'', como a CLT e previdência.

A conclusão é a de que, o problema principal, não é se o Bolsonaro praticou algum tipo de irregularidade, corrupção ou enriquecimento ilícito, e que, portanto, sendo corrupto (ou não) baseio minha oposição por conta disso ou seu discurso midiático para angariar apoio através da reação da esquerda e certa concepção da sociedade.

Ser oposição ao Bolsonaro, assim como a extrema-direita e direita neoconservadora tupiniquim é representar os verdadeiros interesses populares e respectivamente nacionais. 

Porque o nacionalismo é efetivamente defender de forma intransigente o patrimônio público nacional nas mãos do povo, para os interesses estratégicos e de longo prazo, independentemente do momento politico e ideologia da moda. 

O nacionalista tem como sua causa máxima a soberania e a independência nacional que só podem vir por meio de um Estado que represente esses interesses e esteja ao lado do povo, e consequentemente dos seus direitos. Um Estado inimigo do povo e que ataque os direitos mais elementares do ser humano, como a aposentadoria é antinacional e completamente entregue aos planos estrangeiros, os únicos favorecidos são os capitalistas que parasitam as finanças públicas enquanto o trabalhador é obrigado a sobreviver com o mínimo.

Para mudar essa situação não será através de discurso, bravatas ou adaptações ideológicas ao politicamente aceitável de um determinado momento histórico, e sim uma revolução feita pelo trabalhador, o agente social mais importante da pirâmide produtiva e que mantém diariamente o funcionamento na base de toda a economia nacional.











6 comentários:

  1. A crise no Brasil não é econômica,nem tem como falar de crise econômica em um país que produz Tudo, a questão a ser discutida no momento é moral, um país governado por corruptos não tem como atrair investidores.
    No momento o capitalista Jair Bolsonaro é a única opção para o resgate da credibilidade nacional.

    ResponderExcluir
  2. Eu fico pasmo com a esquerda, tivemos uma ex sequestradora de caminhões sem nenhuma formação e um analfabeto pinguço, mas só Bolsonaro não presta. Estão vendo isso como time de fudebol. Não dão a minima para o país, só pensam em poder.

    ResponderExcluir
  3. reforma politica já! caso contrario foça paramilitar.

    ResponderExcluir