domingo, 12 de fevereiro de 2017

A crescente militarização do país e o senso comum como proposta de intervenção

É revelador que, a cada nova crise de segurança, um nível superior de militarização é imposta no país.

Já aconteceu em algumas favelas do Rio de Janeiro com a entrada do exército, nos presídios, agora no Espirito Santo, também havia ocorrido em outros estados nos seus momentos críticos.

Não há reflexão sobre essas ações, suas consequências e muito menos oposição ao crescimento da intervenção federal com o aparato do exército sob justificativa de controle da situação.

Diante disso fica cada vez mais evidente a estrutura de segurança completamente falida e ditatorial que existe nesse país. Além de não resolver qualquer problema, e mesmo com o endurecimento, é só capaz de gerar crises maiores e a piora nos números sociais.

Na realidade é uma grande cortina de fumaça para esconder a profunda miséria social em que a população se encontra e o caráter completamente antinacional e antipopular dos governos que vem se sucedendo.

A proposta comum do brasileiro para a segurança é o aumento da brutalidade.

Uma policia violenta, com ações de extermínio, cadeias lotadas, tortura e por ai vai.

Imaginam que dessa forma os problemas serão resolvidos, ou seja, um pseudo medo na marginalidade seria gerado e por consequência a tranquilidade para o ''cidadão de bem'' seria estabelecida.

Não percebem que tais ações nunca funcionaram em lugar algum que, hoje, desfruta de estabilidade social. O aumento da repressão e selvageria por parte do Estado, ou mesmo da própria população no geral, não trará qualquer tipo de seguridade.

Se desenvolve um ambiente completamente inseguro e sem qualquer garantia legal, a violência é legitimada como modo de contenção e todos os problemas seguem piorando.

Tem que se travar uma luta ideológica, de conscientização, profunda sobre este tema. Porque enquanto os problemas relacionados à insegurança e violência forem vistos dessa ótica, as causas das mazelas sociais a qual vivemos continuaram camufladas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário