quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Sobre o Caráter Ideológico dos Mexericos Enver Hoxha

Enver Hoxha

12 de Setembro de 1969



De todo o nosso trabalho político-ideológico quotidiano, dos artigos que lemos constantemente na imprensa, tal como dos relatórios que nos são apresentados, destaca-se que o partido tem de enfrentar “mexericos”. Queria agora dizer algumas palavras sobre a natureza destas manifestações, das suas fontes, do que elas representam e qual é o seu objetivo, pensando que isso possa servir para as combater.

Os mexericos são um fenômeno típico da pequena-burguesia. Têm um caráter pequeno-burguês e são manifestações da ideologia burguesa. Os mexericos mal intencionados são produto do subjetivismo e não têm nada de comum com uma crítica sã, realista e construtiva. Bem pelo contrario, têm um caráter denegridor, freqüentemente calunioso, tanto com intenção como sem ela. Na maior parte das vezes, são mexericos sem fundamento e, quando, raramente, se trata de um assunto que tenha qualquer fato concreto por base, transforma-se em ato denegridor por efeito da própria forma sob a qual se desenvolve e do juízo subjetivo daquele que interpreta o assunto. Mesmo neste caso, de interpretação em interpretação feita por indivíduos que se entregam à prática nociva dos mexericos, estes acabam por tornar-se calúnia. Deve-se ver aí um método de crítica dos mais odiosos, próprio dos pequeno-burgueses. Não há nele qualquer atitude sã, de princípio, nem construtiva porque ela deforma os fatos, inventa, intencionalmente ou não, circunstâncias não verificadas, porque procede de boca a ouvido pelas costas e em prejuízo do elemento que toma como alvo.

Os mexericos não têm nunca como objetivo a correção do elemento visado; fazem, pelo contrário, um grande dano tanto ao indivíduo como ao coletivo. Os que se entregam a esta prática apresentam-se como moralistas, pois disfarçam sempre os seus propósitos maldizentes com uma “concepção moral elevada”, quando se trata, na realidade, de uma concepção amoral, quer pelo espírito subjetivista que inspira sua formação, quer pelos fundamentos em que repousa, quer pelas formas que toma e pelos objetivos que persegue. Os que recorrem, como a um método de conteúdo pretensamente político, a esses mexericos (que, de fato, podem florescer em domínios diversos), não podem estar eles próprios imbuídos de uma concepção política sã, pois as pessoas que têm os pontos de vista subjetivistas que a prática pequeno-burguesa dos mexericos pressupõe, nunca estão em condições de proceder a uma verdadeira análise da situação política mediante o estudo dos fatos reais de maneira objetiva. O método de organização do trabalho baseado em tagarelices não pode ser um método correto de análise política. Os que o empregam são, podemos dizê-lo sem receio de nos enganarmos, ou oportunistas ou interesseiros ou sectários ou conservadores.

Além dos males que acabo de invocar, os mexericos suscitam querelas, disputas, rancores que podem ir até aos homicídios. Provocam uma perturbação na sociedade, na sua harmoniosa unidade ideológico-política, mas são também uma forma da luta de classe por parte da burguesia derrubada do poder, para criar dificuldades à ditadura do proletariado, para atormentar moralmente e nas coisas mais íntimas as pessoas sãs da nossa sociedade. Deve-se compreender bem que tal método, de conteúdo e de caráter reacionário, escolherá inevitavelmente como primeiro alvo, a fim de os desacreditar e de os desqualificar, precisamente os que combatem impiedosamente os “mexericos”.

Combater implacavelmente os “mexericos” sob as formas burguesas e pequeno-burguesas com que se apresentam, não significa dissimular os erros que se manifestaram em qualquer domínio político, ideológico, moral ou organizativo. Pelo contrário, a crítica destes erros deve ser feita, mas deve repousar sobre sólidas bases de princípio, apoiar-se bem sobre fatos, ser aberta, formulada cara a cara ou perante o coletivo, no momento em que é necessária e não ser baseada em simples suposições. A crítica deve, em todas as circunstâncias, caracterizar-se por um objetivo moral, político e ideológico, ter uma função educativa para o indivíduo ou para o coletivo criticados, nunca ter como objetivo esmagar moralmente o elemento em causa, mas, pelo contrário, elevar o seu moral para lhe permitir corrigir os seus erros. Enfim, a crítica dirigida a pessoas que cometem erros na sua vida privada ou no local onde trabalham não se deve transformar numa preocupação dominante que dissimule, obscureça e entrave a justa solução dos principais problemas que preocupam o Partido e o Estado. Sublinho-o, porque com muita freqüência nas organizações de base do Partido vêem-se abrir debates que consistem em críticas individuais recíprocas sob formas que não só fazem desleixar os problemas principais e perturbam a vida da organização como, por vezes, rompem também a sua unidade.

Por vezes, consolamo-nos dizendo que estas críticas “não têm um caráter político”. Esta apreciação é errada. Elas têm um caráter político e ideológico, precisamente porque suscitaram a discórdia e a divisão no seio da organização. Não se trata aqui de não criticar os que cometem erros; eles devem ser criticados sem falta sob as formas e pelas razões que invoquei mais atrás, mas devemos precaver-nos cuidadosamente contra críticas baseadas em intrigas, de essência subjetivista, e os seus efeitos desmoralizantes e antieducativos.

Assim, o Partido deve compreender convenientemente o aspecto perigoso, nos planos político, ideológico e organizativo, dos “mexericos”, a fim de que eles possam ser combatidos com rigor, como é preciso que o sejam. Se o perigo que eles representam não for bem compreendido pelos comunistas, se estes, na vida, caem na prática deste método pequeno-burguês, “os mexericos” esgueirar-se-ão também para dentro do Partido, que então não estará em condições de combater esta prática perniciosa entre as massas.

Por isso, agucemos a nossa vigilância e combatamos este hábito nocivo, por onde quer que ele se manifeste, em primeiro lugar em nós próprios, no Partido e entre as massas.

Em geral, são os ociosos que se entregam às maledicências, às tagarelices, mas não são os únicos a fazê-lo. Em primeiro lugar, encontraremos este hábito entre as pessoas de um nível de formação política e ideológica pouco elevada, entre os que se comprazem numa vida cultural oca, que não vivem como deve ser com as idéias novas que o Partido e as massas desenvolvem e que não combatem para as pôr em prática. Os portadores destas tagarelices são elementos apodrecidos com preconceitos atrasados, ou incapazes de romper com o modo e as formas arcaicas de vida, com os costumes do passado. Mas são iguais também os que se apresentam como elementos “modernizados”, mas nos quais esta espécie de modernização não passa de uma degenerescência do caráter e de um refinamento ainda mais perigoso da prática dos “mexericos”.

Outrora, o tempo passado no café ou as visitas de umas pessoas à casa das outras eram ocasião para longas conversas. “Mata-se o tempo”, dizia-se, mas isso fazia-se falando de uns e de outros, passando a sua vida pelo crivo. Tal prática, embora consideravelmente emendada, prossegue ainda hoje. Há camaradas que se lamentam justamente da abertura de um número demasiado de cafés. Não foi dada qualquer ordem para abrir cafés a seguir uns aos outros; portanto, os únicos responsáveis por este estado de coisas são os próprios camaradas dos distritos, que se lamentam disso e que são os próprios a autorizá-lo. Se levanto este problema, não é para que se fechem todos os cafés, pois isso não seria uma medida judiciosa. Contudo, não se deve considerar este problema unicamente sob o seu aspecto comercial; deve-se ter igualmente em conta o descanso necessário dos trabalhadores. Que o café se torne efetivamente um lugar de ócios cultivados, isso depende, antes de mais nada, dos próprios clientes que o freqüentam, da sua mentalidade, do nível da sua formação ideológica e política, da intenção com que vão para lá. Se uma pessoa freqüenta o café até ao ponto de desleixar o seu lar e a sua família, se o freqüenta para beber e se embriagar, para aí dizer mal de todos os que entram e saem ou para fazer escândalos, então o café torna-se um lugar de mexericos. É evidente que a responsabilidade não recai somente sobre o local, mas também sobre os seus freqüentadores. Assim, se é verdade que não devemos abrir cafés demais, é, antes de mais nada, necessário trabalhar para a educação das pessoas, porque se esta primeira condição não for cumprida, estas pessoas não educadas dedicar-se-ão então aos seus desmandos, invadirão os nossos estabelecimentos culturais que não se chamam cafés, mas que facilmente podem vir a sê-lo.

Portanto, temos muito a fazer no domínio da direção e da educação da classe operária e dos trabalhadores. Como se enganam os camaradas que me escrevem nas suas cartas frases como estas: “Sepultamos para todo o sempre e profundamente as leis do cânone do Lek”(1), “a influência da religião foi suprimida” e outras afirmações deste gênero, que denotam uma falta de maturidade. Bem entendido, estes camaradas não têm dúvidas de que é difícil adormecer o Partido ou a mim próprio com tais afirmações retumbantes, mas não se trata aqui de uma tentativa, ainda que involuntária, de mentira, de mistificação ou de uma falta de aprofundamento da situação política, ideológica e social das regiões onde estes camaradas trabalham e vivem. Os grandes resultados obtidos não representam mais do que uma parte dos que devemos atingir, e, para o fazer, devemos saltar ainda muitos obstáculos, que não podemos vencer de outro modo senão lutando e ao preço de esforços, e não com palavras ocas e gabarolices. A elevação político-ideológica, o trabalho bem organizado e a simplicidade comunista do caráter permitem vencer as dificuldades e obter os êxitos desejados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário